Comex não é perfume e sim endêmico a um economia de ponta!


Caros,

Nosso pais precisa urgentemente voltar a ser competitivo desonerando a cadeia produtiva na exportação de produtos acabados, pois ela gera divisa e emprego.

Além disso temos que ser uma economia mais aberta com uma RFB mais ágil, mais moderna e menos minada por multas, com redução dos tributos de importação, que hoje, em média
atingem absurdos 60% do valor CIF.

Vamos monitorar e cobrar juntos!

Comex não é perfume e sim endêmico a um economia de ponta!

---

Reportagem da Folha de São Paulo:

http://brazilmodal.com.br/2015/highlights/guedes-desacelera-abertura-comercial-em-troca-da-reforma-da-previdencia/

Guedes desacelera abertura comercial em troca da reforma da Previdência

Em um esforço para aprovar a reforma da Previdência, a equipe econômica está desacelerando a prometida abertura comercial, um dos pilares da política econômica do ministro Paulo Guedes.
Em conversas com empresários, Guedes vem pedindo apoio para convencer parlamentares em prol da reforma.
Os interlocutores ficaram com a impressão de que a Previdência tem hoje o monopólio da atenção do ministro, o que significa uma trégua aos setores que temem os efeitos da concorrência internacional em seus negócios.
Um sinal são os estudos que estão sendo feitos pelo governo para reduzir a velocidade de corte das alíquotas de importação no setor de máquinas e equipamentos, uma das primeiras atividades no alvo da abertura comercial.
Os estudos ainda não foram concluídos, mas uma opção é suavizar o corte no curto prazo, deixando a queda mais forte para uma etapa posterior.
A antiga equipe econômica apoiava movimento inverso: redução imediata de 14% para 10% e cortes adicionais até chegar a 4% em três anos.
No novo formato, a redução inicial seria menos drástica, acelerando depois até a mesma linha de chegada (4%).
A Camex, conselho interministerial responsável por esta decisão, está sendo redesenhada no governo de Jair Bolsonaro em razão da fusão do Ministério da Economia. Esse processo não deve ser concluído antes da segunda quinzena de fevereiro.
Com a suavização da abertura no setor de máquinas, o governo busca desmontar a resistência do empresariado, sinalizando que vai avançar na redução do custo de produção no Brasil.
Ao mesmo tempo, tenta garantir o engajamento do setor privado pela aprovação da reforma da Previdência.
Outro sinal de moderação apontado por observadores são discussões internas no governo buscando vincular a abertura brasileira a negociações com outros países ou blocos econômicos. Inicialmente, a ideia era abrir o mercado doméstico unilateralmente.
Representantes do setor privado são simpáticos à nova abordagem. Com ela, ganha-se tempo até Guedes cumprir a promessa de só abrir a economia à medida que reduza o chamado custo Brasil.
A trégua, no entanto, deve durar cerca de dois meses, segundo um integrante do governo Bolsonaro. Este é o tempo estimado para a roda da Previdência começar a girar.
A avaliação, tanto de representantes da equipe econômica quanto de empresários, é que a reforma pode avançar mais rapidamente do que no governo Michel Temer. Isso porque, além do apoio expressado nas urnas, a opinião pública estaria convencida da necessidade da reforma.
A votação mais importante para a Previdência é a primeira na Câmara dos Deputados. Como se trata de uma emenda à Constituição, são necessárias duas votações na Câmara e duas no Senado.
A ideia é que, passada a primeira votação, com os acordos já firmados, o processo no Legislativo se torne mais fácil.
Neste contexto, assim que o debate da Previdência ganhar tração, a pauta econômica pode acionar as demais agendas, consideradas geradoras de “boas notícias” por membros do governo, mas que tampouco são triviais: simplificação tributária, modernização do Estado e abertura comercial.
Representante de um setor sensível à abertura comercial, o presidente da Abit (indústria têxtil), Fernando Pimentel, afirmou que a reforma da Previdência exige cuidado na articulação com o Congresso.
Para ele, a reforma é fundamental para viabilizar uma posterior aceleração no processo de abertura comercial.
“Essa inserção tem que vir acompanhada de uma agenda de competitividade, que leva tempo e antecede a abertura.”
Parte do setor empresarial, porém, já trabalha por mais do que trégua temporária.
Dirigentes de entidades representativas da indústria, ouvidos pela Folha, dizem que irão organizar defesa enfática da reforma da Previdência. Mas querem que o governo se comprometa em interromper o processo de abertura comercial se reformas estruturais não forem aprovadas.
Sem as reformas, dizem, o custo Brasil continuará alto e a indústria nacional não terá condições de competir sem proteção tarifária.
O QUE MUDA NA ESTRATÉGIA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL
14% para 10%
seria o corte imediato nas tarifas de importação se o governo Bolsonaro aceitasse a proposta da equipe econômica da gestão Temer. A redução, porém, será bem mais amena.
4%
ainda deve ser a taxa ao final de três anos de governo, preservando-se a proposta original feita pelo governo anterior.
Pontos que terão atenção da nova equipe econômica em paralelo a redução de taxas de importação.
Redução do chamado custo Brasil —gastos elevados com tributos, folha, logísticas, entre outros— para tornar exportações mais competitivas
Medidas de incentivo ao aumento da produtividade de empresas locais
Negociação com países e blocos de comércio com a meta de obter espaço para produtos brasileiros, o que descarta a proposta inicial de realizar abertura unilateral.
Fontes: Folha de S. Paulo / http://brazilmodal.com.br

Festa de confraternização - 2018


Agradecemos a todos que ao longo do ano participaram de nossos resultados, confiaram em nossos serviços e nos levaram a conquistar nossos objetivos. Colaboradores, clientes e parceiros, a Ultramar deseja a todos boas festas, e continuem conosco em 2019.

We thank everyone who participated in our results throughout the year, trusted our services and contributed to achieve our goals. Coworkers, clients and partners, Ultramar wishes everyone a happy holiday, and stay tuned with us in 2019.

Ultramar, comitted to your success!






MAIO SUPERA EXPECTATIVAS E PORTO DE SANTOS BATE RECORDE DE MOVIMENTAÇÃO

Complexo portuário conquista melhor marca para o mês e melhor resultado nos primeiros cinco meses do ano

O Porto de Santos alcançou em maio a sua melhor marca para este mês do ano, com a movimentação de 10,0 milhões de toneladas de cargas, 13,7% acima do mesmo período do ano passado (8,8 milhões t). Com este resultado, o complexo portuário santista também alcança sua melhor marca para os primeiros cinco meses do ano, acumulando 45,9 milhões t.

Os números apontam crescimento de 6,6% sobre o ano passado e 3,3% superior ao mesmo período em 2013, quando foi verificado o recorde anterior. Supera, ainda, em cerca de 10% a expectativa inicial da Companhia Docas do estado de São Paulo (Codesp), que havia projetado no início do ano a movimentação de 9,05 milhões de toneladas para este mês.

O ministro dos portos, Edinho Araújo, ressalta que “o aumento verificado nas exportações mostra a capacidade do país e do Porto de Santos em responder positivamente à situações adversas, como a crise internacional que afeta nossa economia”.

O diretor Alencar Costa, em substituição ao diretor presidente, destaca a recuperação que a movimentação de cargas vem apresentando no primeiro semestre deste ano. “Se mantivermos essa performance, certamente, suplantaremos a projeção de 114 milhões de toneladas estimada para este ano”, afirma Costa.

As marcas foram atingidas, principalmente, devido ao aumento de 22,3% verificado nas exportações em maio, totalizando 7,3 milhões t, e 8,6% no acumulado do ano, em relação aos mesmos períodos do ano passado, somando 32,3 milhões t. Já as importações, no movimento acumulado chegaram a 13,5 milhões t, 2,0% superior em relação ao mesmo período do ano passado (13,3 milhões t), registrando, entretanto, queda de 4,3% no movimento mensal (2,7 milhões t), se comparadas com o mesmo mês de 2014 (2,8 milhões t).

No movimento mensal, os principais produtos embarcados pelo Porto de Santos, o açúcar (1,4 milhão t) e a soja (2,4 milhões t), registraram crescimentos de 34,8% e 36,3%, respectivamente. O complexo soja, que agrega os embarques de grãos e farelo, foi o principal destaque do mês, com a movimentação de 2,9 milhões t. A tonelagem é 34,1% maior que o do mesmo mês no ano anterior (2,1 milhões t).

A movimentação de cargas conteinerizadas também foi destaque, atingindo, em maio, 323.564 teu, 7,5% acima do mesmo mês de 2014. A marca é recorde para o mês e confirma a tendência de incremento nesta modalidade de carga em 2015.

Outras mercadorias de exportação também se destacaram no total mensal, apresentando crescimento em relação a maio de 2014. Entre elas a gasolina (151.026 t), 21,7% acima de 2014 (124.120 t), e o café em grãos (132.391 t), 15,7% a mais que no ano passado (114.451 t).

O enxofre também apresenta tendência de alta, com crescimento de 30,3% em relação a maio do ano passado e, no fluxo de importação, foi a segunda carga mais movimentada, com 150.317 t. A carga importada de maior movimentação foi o adubo, com 198.597 t, apesar de apresentar decréscimo de 15,2% em relação ao mesmo mês em 2014.

A movimentação de contêineres no acumulado do ano é a maior já registrada no período, somando 1.517.824 teu, 8,7% acima dos primeiros 5 meses do ano anterior (1.396.189 teu).

Destacaram-se, ainda, no acumulado do ano, no fluxo de exportação, o açúcar (5,9 milhões t), com crescimento de 10,1%, o complexo soja (11,4 milhões t), com 5,7%, o café em grãos (675,8 mil t), com 29,0%, a gasolina (582,8 mil t), com 19,7%, o óleo combustível (1,0 milhão t), com 27,6%, e sucos cítricos (825,9 mil t), com 16,1%. Na importação sobressai-se o minério de ferro (276,4 mil), com aumento de 94,7%.

Fluxo de navios

No total, ocorreram 2.147 atracações até maio deste ano, 0,5% acima de igual período de 2014 (2.136). No mês de maio, o número de atracações ficou estável em relação a 2014, totalizando 429 embarcações, mesma quantidade que no ano anterior.

Balança Comercial

Na balança comercial, Santos apresenta crescimento na participação geral do país alcançando 27,0%, com o total de US$ 41,6 bilhões em cargas movimentadas. As exportações somaram US$ 20,2 bilhões, representando 26,2%, e as importações US$ 21,4 bilhões, 27,8% de participação. A China permanece como principal parceiro comercial nos dois fluxos, liderando com 22,8% nas importações e 15,0% nas exportações, seguida pelos Estados Unidos, com 15,8% das importações e 14,1% das exportações.

Fonte: Export News

MDIC lança Plano Nacional de Exportações

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) lança, nesta quarta-feira (24/6), o Plano Nacional de Exportações. A cerimônia oficial será realizada no Palácio do Planalto, às 11 horas, com a participação da presidenta da República Dilma Rousseff e do ministro Armando Monteiro. Após a cerimônia, o ministro concede entrevista coletiva aos jornalistas presentes.

Fonte:MDIC

MDIC realiza seminário sobre operações comerciais

O Departamento de Operações de Comércio Exterior (Decex) da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) realiza a 34ª edição do Seminário de Operações de Comércio Exterior na próxima terça-feira (30/6). O evento acontece em Curitiba e é uma parceria do MDIC com a Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP). As inscrições são gratuitas e abertas ao público. Acesse o link para saber mais sobre a programação do evento.

O objetivo do Seminário é aproximar o setor público dos operadores de comércio exterior por meio de palestras e atendimentos individualizados. Os participantes poderão conhecer melhor os procedimentos realizados pelo Decex na análise de operações relacionadas a licenciamento de importação, drawback, importação de material usado ou sujeito a exame de similaridade e controle administrativo no comércio exterior. Além disso, também é possível tirar dúvidas a respeito da legislação que ampara o controle administrativo das importações e exportações brasileiras. As empresas podem se cadastrar previamente para participar de despachos executivos - atendimentos individualizados sobre casos específicos -, que serão realizados pelos servidores do Decex durante o evento.

Fonte:MDIC

Ontem (13/05) recebemos a visita do Sr. Juergen Emrich, NDM (Network Development Manager) do grupo Clasquin, em nossa unidade do Rio de Janeiro. A Clasquin é uma empresa francesa com 47 escritórios ao redor do mundo, sendo 11 apenas na França, incluindo a matriz principal que é localizada em Lyon. O objetivo principal da visita foi a oficialização da cooperação mútua com foco em vendas e geração de negócios northbound e southbound entre nossas unidades e a Clasquin, com quem já trabalhamos em exportações destinadas ao Japão.


Na foto à esquerda, temos  Luciane de Jong e Jurgen Emrich. Na foto à direita, Maurício W. de Jong e Jurgen Emrich.





LINK na Canton Fair 2014

LINK na Canton Fair 2014

A Canton Fair é a mais ampla feira de negócios do mundo e tem duração de 3 (três) semanas, iniciando no dia 15 de Abril e terminando dia 5 de Maio. Ela é multisetorial, havendo tanto um setor de alimentação como de químicos, bens, maquinários e afins. É a feira mais expressiva da China e envolve empresários de todo o mundo interessados na obtenção de novos clientes e no desenvolvimento de novos parceiros nesta área.
A Link Global, rede de agentes da qual a Comissária Ultramar faz parte representando o Brasil, terá a feira como primeiro evento do ano. Agentes de cargas provenientes de todo o mundo irão participar.








Para mais informações sobre a feira: http://linkglobal.com/news/item/275-canton-fair-april-2014

Aumento das taxas para fretes internacionais partindo da China


Governo chinês implementa cobrança do VAT (Imposto de Valor Acrescentado) para 6% em todos os fretes internacionais China/Brasil. A medida entrou em vigor no dia 01 de agosto desse ano.





Comissária Ultramar de Despachos Internacionais marcou presença na Brasil Offshore

Comissária Ultramar de Despachos Internacionais marcou presença na Brasil Offshore Feira e Conferência Internacional da Indústria de Petróleo e Gás, realizada nos dias 11 a 14 de Junho em Macaé (RJ).



QUIP formaliza a entrega da Plataforma P-63




Na manhã do último dia 14, em cerimônia interna a QUIP formalizou a entrega da plataforma P-63 para a Petrobras.
Agora, a plataforma P-63 se prepara para deixar o cais da QUIP em Rio Grande com destino à Bacia de Campos, no Campo Papa Terra, onde produzirá 140 mil barris de óleo e um milhão de m³ de gás por dia. A saída da plataforma podia ocorrer a partir do último sábado, dia 15.

A Ultramar participou deste projeto com a coordenação de todo o processo de DRAWBACK SUSPENSAO INTEGRADO e EXPORTAÇÃO FICTA das Unidades de tratamento de água oleosa compostas por 3 sistemas de flotação de gás presentes na plataforma.  Esse procedimento aduaneiro é normal para que o exportador obtenha suspensão dos impostos de importação assim como credito do IPI na revenda do material quando na exportação à plataforma em construção.